Nesta sexta (5), Dia Nacional do Líder Comunitário, a CONAM estará em todos os estados, junto com suas entidades associadas, iniciando sua jornada de lutas em defesa da Saúde Pública e do SUS. Estará também lutando contra o fim das farmácias populares, denunciando a Emenda Constitucional 95, um enorme retrocesso para a saúde pública e para as políticas sociais no Brasil.

Nessa ocasião abordaremos a importância do Sistema Único de Saúde como política de Estado e direito do povo brasileiro. Estas políticas são pilares fundamentais na construção de um projeto nacional desenvolvimentista. Garantida na Constituição Federal de 1988.

A CONAM, entidade que luta por melhores condições de vida e pela qualidade da saúde da população mais carente, afirma que o desmonte do SUS é o desmonte do Estado nacional, além de comprometer a oferta de serviços de boa qualidade, representa também a precarização do trabalho, restringindo que essa política social contribua na redução da exclusão social e na promoção do desenvolvimento humano. Sua defesa é ao mesmo tempo a defesa das conquistas democráticas. Nesse cenário, fica claro o interesse dos planos privados de saúde. A medicina preventiva e a atenção básica perdem prioridade. E nesse contexto, a saúde passa a ser vista pelo Governo Federal, como um negócio, uma mercadoria, não como um direito social, como aponta nossa Constituição.

Lutaremos contra o desmonte do país que nos levará à dependência colonial e ao empobrecimento dos cidadãos, que não permite qualquer projeto de desenvolvimento. Por isso, que a defesa da Saúde pública e universal no Brasil faz parte da proposta para o país voltar a crescer com força e soberania. Cabe a nós repensarmos o Brasil para projetar o seu futuro – hoje bloqueado, fadado ao desmonte em andamento.

O SUS precisa de novas fontes de receitas permanentes, estáveis e exclusivas ao seu financiamento, como condicionante à presença do Estado nessa política pública. Que considere como fonte de receita a tributação das grandes fortunas, as heranças e as grandes movimentações financeiras.

A Jornada Nacional da CONAM é também para lutar contra o golpe e contra o governo ilegítimo de Michel Temer. É necessária a unidade do povo. A agressão aos direitos sociais exige do nosso movimento respostas nas ruas com jornadas de lutas em defesa desses direitos e da democracia. Defender a Saúde pública e o SUS, na atual conjuntura, é tarefa prioritária do movimento comunitário organizado na luta pela democracia. Nos manteremos organizados e mobilizados contra qualquer retirada de direitos sociais.

Pelo SUS Público e Universal!
Nenhum Direito a Menos!
Diretas Já!
A CONAM na Luta e nas Ruas!

São Paulo, 05 de maio de 2017.

Confederação Nacional das Associações de Moradores