A eleição chega ao segundo turno e a CONAM reafirma o caminho democrático, do dialogo com os movimentos sociais e o compromisso com bandeiras históricas do movimento comunitário. Estamos com Dilma Rousseff e contra o projeto que Aécio Neves representa para o Brasil.
 
Sem retrocessos – nenhum direito a menos
 
Neste momento o centro do debate se dá entre duas candidaturas, a de Dilma e a de Aécio.
 
Dilma pretende dar continuidade no ciclo de avanços e conquistas democráticas. Foram nos último 12 anos que avançamos na construção de políticas públicas, fortalecemos o SUS, criamos leis para o desenvolvimento urbano e fortalecemos o financiamento de políticas públicas que melhoram a qualidade de vida de nossa população, retirando dezenas de milhões de moradores da pobreza e aumentando significativamente a classe média brasileira.
 
A postura altiva na política internacional no último período deve ser reafirmada, a articulação do BRICS, e a defesa da paz mundial combatendo genocídios como o do Estado de Israel sobre a Palestina marcou a posição brasileira que exerceu certa liderança entre os países em desenvolvimento.
 
Por outro lado a candidatura de Aécio representa o projeto neoliberal que governou o Brasil nos anos 90 com FHC, sendo responsável por uma política de juros elevados, submissão aos ditames da política norte-americana e do FMI, que fez o Brasil ter uma das maiores taxas de desemprego do mundo, arrocho salarial e baixo crescimento econômico, fazendo com que milhões de brasileiros vivessem na extrema pobreza, falta de investimentos públicos em saúde, infraestrutura, saneamento e moradia. A antecipada nomeação, para uma eventual vitória eleitoral de Aécio, de Armínio Fraga para o ministério da economia mostra o caráter conservador e possíveis retrocessos com questionamento da política de valorização do salário mínimo, ameaça de privatização, terceirizações e precarização nas relações de trabalho.
 
Entre as ameaças que Aécio e o seu projeto representam percebemos a possibilidade de um grande retrocesso nas questões dos direitos civis (como não reconhecimento dos direitos da comunidade LGBT, indígenas e intolerância religiosa), defesa da redução da maioridade penal e criminalização dos movimentos sociais e das mobilizações populares. Outra ameaça é a resistência à participação social e o enfraquecimento dos instrumentos de controle social.  Aécio e seus apoiadores, também, têm demosntrado um discurso e postura política demofóbica, ou seja aversão ao povo que se expressam nos comentários desqualificadores para identificar os eleitores de Dilma. A própria continuidade de programas sociais importantes para as comunidades ficam colocadas sob-risco com estas determinadas posturas e propostas de campanha.
 
A CONAM esta com Dilma:
 
1.       Para reafirmar compromissos e avançar nas conquistas!
 
2.       Pela Reforma Urbana;
 
3.       Pela função Social da Propriedade “Despejo zero”;
 
4.       Por mais investimentos em saneamento, mobilidade e moradia popular;
 
5.       Pelo  Pacto da Mobilidade Urbana;
 
6.       Por Mais Saúde, Mais Médicos – Fortalecimento do SUS, com aumento dos recursos da saúde com 25% dos royalties do petróleo;
 
7.       Pela valorização da educação e da juventude ProUni Pronatec, Projovem Urbano;
 
8.       Na luta contra a redução da maioridade penal;
 
9.       Por mais direitos civis e liberdades individuais são fundamentais;
10.    Pela aplicação da Lei Maria da Penha no combate a violência doméstica;
 
11.    Por mais reconhecimento dos direitos civis da comunidade LGBT;
 
12.    Pelas ‘Reformas Democráticas’ como consolidação da construção de um novo projeto de desenvolvimento para o Brasil. Entre estas reformas estão a Reforma Urbana, Reforma Agrária, Reforma Tributária, Reforma da Educação, Reforma do Judiciário, Fortalecimento do SUS, Reforma Política, Democratização dos Meios de Comunicação e Mudança da Política Macroeconômica;
 
13.    Pelo fortalecimento das Instâncias de Controle Social e contra criminalização dos movimentos sociais.
 
 
Com estes compromissos reafirmados,  ESTAMOS COM DILMA 13, PARA AVANÇAR NAS REFORMAS DEMOCRÁTICAS E SEM NENHUM RETROCESSO NAS CONQUISTAS E DIREITOS SOCIAIS.